Email: geral@afp.com.pt Tel: 222 089 160 *

Lynparza (Olaparib): Relatório de avaliação de financiamento público disponível na Infomed – Notícias

23 jan 2024

Para: Público em geral

Deferimento

O medicamento Lynparza (Olaparib) obteve autorização para ser utilizado em meio hospitalar nas indicações:

Em monoterapia, para o tratamento de doentes adultos com cancro da próstata metastático resistente à castração e mutações BRCA1/2 (germinativas e/ou somáticas), que progrediram após terapia prévia que incluía um novo agente hormonal;

Em monoterapia para o tratamento de manutenção de doentes adultos com mutações BRCA1/2 germinativas que têm adenocarcinoma metastático do pâncreas e não progrediram após um período mínimo de 16 semanas de tratamento com platina num regime em primeira linha de quimioterapia.

Em monoterapia ou em associação com terapia endócrina para o tratamento adjuvante de doentes adultos com mutações BRCA1/2 germinativas, que têm cancro da mama precoce de alto risco* HER2-negativo previamente tratado com quimioterapia neoadjuvante ou adjuvante, que não tenham obtido resposta patológica completa no tratamento prévio com quimioterapia neoadjuvante.

*Entende-se por cancro da mama de alto risco, no contexto do financiamento de olaparib nesta indicação:

  • doentes com cancro da mama com recetores hormonais positivos e HER-2 negativos com pelo menos 4 gânglios linfáticos positivos confirmados histologicamente, tratados com quimioterapia adjuvante;
  • doentes com cancro da mama com recetores hormonais positivos e HER-2 negativos, sem resposta patológica completa após quimioterapia neoadjuvante e um CPS + EG score de pelo menos 3;
  • doentes com cancro da mama com recetores hormonais negativos e HER-2 negativos (triplo-negativos), com pelo menos 1 gânglio linfático axilar positivo ou com um tumor primário com pelo menos 2 cm, confirmados histologicamente e tratados com quimioterapia adjuvante;
  • doentes com cancro da mama com recetores hormonais negativos e HER-2 negativos (triplo-negativos), com doença invasiva residual na mama ou nos gânglios linfáticos após quimioterapia neoadjuvante (sem resposta patológica completa).
     

O relatório público desta avaliação está disponível na Infomed, na página do medicamento.

Link da fonte

Scroll to Top