Email: geral@afp.com.pt Tel: 222 089 160 *

Uma nova visão global sobre a saúde digital na educação farmacêutica estabelece a base para o desenvolvimento – Notícias


A grande parte das Faculdades de Farmácia ainda não oferece formação e educação digital em saúde, de acordo com os resultados de um estudo promovido pela Federação Internacional Farmacêutica (FIP) publicada hoje. As descobertas são apresentadas no novo relatório “Saúde digital FIP na educação em ciências farmacêuticas: desenvolvimento de uma força de trabalho farmacêutica digitalmente competente”.

O estudo, em que participaram
1.060 Faculdades de Farmácia, membros do corpo docente, alunos e grupos de
profissionais de 91 países, investigou a prontidão e a capacidade de resposta
da educação em farmácia com relação à saúde digital e identificou lacunas de
conhecimento e competências na força de trabalho farmacêutica. A investigação
também descobriu que muitos profissionais não estão familiarizados com as
tecnologias digitais emergentes de saúde, como blockchain, bots,
medicamentos digitais e inteligência artificial, e apenas uma pequena fração
dos participantes no estudo prosseguiu formação contínua na área da saúde
digital.

 

“Com o aumento da complexidade
das condições de saúde e o envelhecimento da população, a saúde digital pode
ser a chave para muitas necessidades não atendidas nos serviços de saúde. É
necessária uma força de trabalho farmacêutica capaz e digitalmente competente
para fazer uso de todo o potencial da saúde digital”, disse a Professor Aukje
Mantel-Teeuwisse, presidente do grupo de trabalho que produziu o relatório.

Acrescentou ainda: “A educação
em ciências farmacêuticas e farmácia está no centro da aceleração da adoção de
tecnologias digitais de saúde na assistência farmacêutica, educando a força de
trabalho farmacêutica atual e futura”. No entanto, as faculdades relataram
falta de especialistas e recursos necessários para a educação digital em saúde.

 

O relatório descreve iniciativas
de educação em saúde digital das faculdades de farmácia de todo o mundo e
descreve uma série de “caminhos a seguir”, incluindo dar maior
atenção ao desenvolvimento da força de trabalho para a implementação de novos
sistemas de prestação de saúde digital, a adoção de estratégias de educação
pelas entidades empregadoras e universidades e esforços de advocacy
orientados profissionalmente para garantir a integração da saúde digital na
educação farmacêutica e apoiar a inclusão da saúde digital nos padrões
educacionais e de acreditação.

 

“Os farmacêuticos,
historicamente, adotaram as tecnologias de informação. Este relatório
estabelece a base de nosso status atual na educação em ciências
farmacêuticas e farmácia para que possamos construir o futuro. Espero que este
relatório e suas descobertas inspirem as faculdades de farmácia a desenvolver e
implementar unidades curriculares e cursos nos seus próprios currículos
educacionais, e as organizações profissionais nacionais e regionais para
equipar a força de trabalho farmacêutica com o conhecimento e as competências
de saúde digital necessários ”, disse a Professora Mantel-Teeuwisse. Os autores
do relatório também recomendam mais trabalhos e estudos relacionadas com a
força de trabalho científica e saúde digital no ensino de ciências farmacêuticas.

 

A FIP irá desenvolver um quadro
de competências global para saúde digital na educação farmacêutica, que
facilitará a implementação nacional, regional e global do Objetivo de
Desenvolvimento 20 da FIP (saúde digital).

 

Poderá aceder ao Relatório aqui.

 

Link da fonte

Scroll to Top