Email: geral@afp.com.pt Tel: 222 089 160 *

República Checa: investigação sobre erros na dispensação de medicamentos – Notícias


A Ordem dos Farmacêuticos da República Checa (ČLnK) divulgou recentemente os resultados de uma investigação entre farmacêuticos em toda a República Checa, que mostrou que mais de 99% dos farmacêuticos detetam pelo menos um erro de medicamento por mês. Mais de 2/3 dos farmacêuticos detetam um erro de medicamento pelo menos uma vez por semana durante a dispensa de medicamentos a utentes, e mais de 20% dos farmacêuticos envolvidos no estudo ​​evitam erros de medicação todos os dias.

Aplicando
a consulta farmacêutica com os utentes, os farmacêuticos detetam erros de
medicamentos de várias maneiras. A investigação mostrou que o erro
medicamentoso mais comum (mais de 90%) é detetado pelo farmacêutico a partir da
avaliação da prescrição ou de breves questões colocadas ao utente. 80% dos
farmacêuticos também constataram que o utente foi questionado sobre um possível
erro de medicamento na farmácia e, graças a uma consulta com o farmacêutico,
foi possível preveni-lo antes da dispensa do medicamento. Cerca de 40% dos
farmacêuticos detetaram um erro de medicamento após consultar o registo clínico
do utente ou com base na comunicação não verbal do utente no ato da dispensa.

 

O
espectro de possíveis erros de medicamentos é muito diverso. A investigação
mostrou que os farmacêuticos são mais propensos a encontrar (incidência acima
de 90%) uma forma de dosagem prescrita (por exemplo, trocar comprimidos por
injeções) ou um erro de dosagem. Mais de 80% dos farmacêuticos detetam erros do
utente causados ​​pelo uso incorreto ou sob a forma de dosagem incorreta do
medicamento, que podem prejudicar a saúde do utente ou, pelo contrário, não
seriam suficientemente eficazes. Frequentemente (em mais de 70% dos casos), os
farmacêuticos também encontram duplicação (ou seja, prescrição ou toma do mesmo
princípio ativo em medicamentos diferentes) ou com utentes que recebem o recibo
eletrónico de outro utente.

 

A
investigação também mostrou que mais de metade dos farmacêuticos detetou na sua
prática todas as variantes de erros de medicamentos identificadas pelo
questionário, que inclui a deteção de uso excessivo / abuso de medicamentos,
ou, inversamente, a deteção de medicamentos desprescritos, mas não usadas pelos
utentes.

 

Leia
mais aqui.

Link da fonte

Scroll to Top