Email: geral@afp.com.pt Tel: 222 089 160 *

Logo Ordem dos Farmaceuticos

Maioria dos europeus estão a 5 minutos de uma farmácia – Notícias


O relatório “Measuring Health Outcomes in Community Pharmacy”, apresentado pelo Grupo Farmacêutico da União Europeu (PGEU), apresenta os principais serviços farmacêuticos prestados nas farmácias comunitárias no espaço europeu. Além da dispensa da medicação, estas unidades de saúde disponibilizam serviços de saúde com relevante impacto na saúde dos seus utentes, em especial no domínio das doenças crónicas. De acordo com os dados apresentados, 58% dos cidadãos europeus estão a menos de 5 minutos de distância de uma farmácia e 98% dos cidadãos a menos de 30 minutos.

O relatório foca os serviços farmacêuticos praticados nas
mais de 160 mil farmácias do espaço europeu, nomeadamente os serviços de
dispensa de medicamentos, os serviços e programas de promoção do uso racional e
responsável dos medicamentos, os testes de medição de parâmetros bioquímicos,
os programas de gestão da doença e da medicação, os serviços de administração
de vacinas e medicamentos injetáveis, entre outros.

Numa resenha histórica dos resultados atingidos ao longo do
ano transato, focam-se principalmente os trabalhos desenvolvido nas ruturas de
stock na cadeia de distribuição de medicamentos, os serviços de ehealth, a
diretiva europeia da proporcionalidade na regulação profissional e a
colaboração entre profissionais de saúde, nomeadamente médicos e farmacêuticos.

Com especial enfoque na resistência antimicrobiana, o
relatório explora ainda o documento de Boas Práticas adotado pelo PGEU.

Os representantes nacionais apresentaram também as
principais novidades no setor da farmácia e do medicamento em Portugal,
exemplificando com as recentes alterações nos produtos de ostomia, com a
dispensa de medicação antiretrovírica nas farmácias, a introdução da nova
legislação sobre os testes rápidos de orientação de diagnóstico para HIV, HVB e
HVC e os projetos Notas Terapêuticas Simples e SAFE, para a melhoria do acesso
dos portugueses aos medicamentos urgentes.

Link da fonte

Scroll to Top