Email: geral@afp.com.pt Tel: 222 089 160 *

Logo Ordem dos Farmaceuticos

Estudo americano demonstra poupança na administração de vacinas em farmácias – Notícias


Um novo estudo recentemente divulgado pelo Instituto de Investigação do Pacífico (Pacific Research Institute) demonstrou que os cidadãos norte americanos poderão poupar tempo e dinheiro se a lei federal for alterada, para permitir que os farmacêuticos comunitários administrem todas as vacinas recomendadas pelo Centros de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC).

“As vacinas para adultos podem melhorar a saúde dos
cidadãos, mas as taxas de vacinação dos Estados Unidos da América são
inaceitavelmente baixas. Tornar a vacinação mais acessível e menos dispendiosa
ajudará a reverter esta tendência”, afirmou Wayne Winegarden, autor do
relatório “Promover o acesso e reduzir os custos em saúde”.

Segundo o estudo, muitas pessoas adoecem, são
hospitalizadas ou morrem de doenças evitáveis por vacinação a cada ano. Um
exemplo disso, são as cerca de 900.000 pessoas que nos EUA contraem, todos os
anos, pneumonia pneumocócica, levando a cerca de 400.000 hospitalizações e
19.000 mortes anuais.

Tipicamente, para que se atinja imunidade de grupo para
uma determinada doença, a taxa de vacinação deverá ser cerca de 95% da
população para que a doença não se dissemine, no entanto, o CDC identificou que
a taxa de vacinação de adultos era muito baixa. Apesar da marca imposta dos 90%
para a vacinação da população Americana acima dos 65 anos, apenas 64% se
encontra vacinada atualmente.

Por outro lado, as leis para a vacinação praticada por
farmacêuticos nas farmácias variam de estado para estado, levantando assim
barreiras para o aumento da taxa vacinal. Subsiste também a problemática
relativa ao acesso de vacinas, já que se encontra por vezes dificuldade nas
farmácias em ter acesso a outras vacinas, como por exemplo a vacina
pneumocócica.

O estudo identificou algumas descobertas, de entre as
quais:

  • a reforma do sistema legislativo contribuirá
    para o aumento da taxa vacinal, permitindo também o acesso às vacinas em
    horários mais convenientes;
  • por comparação, percebeu-se que as farmácias
    conseguiam administrar vacinas a uma taxa mais baixa que aquela praticada nos
    gabinetes médicos e clínicas médicas;
  • a reforma do sistema permitirá que os cidadãos
    tenham acesso às vacinas de forma mais cómoda, mais perto das suas casas e
    locais de trabalho, considerando que as farmácias tipicamente se encontram bem
    localizadas, permitindo também aumentar o acesso aos cuidados de saúde em áreas
    rurais, que tipicamente não têm um acesso conveniente a cuidados de saúde
    especializados.

Link da fonte

Scroll to Top