Email: geral@afp.com.pt Tel: 222 089 160 *

Comissão de Saúde registou problemas nos Serviços Farmacêuticos do IPO Lisboa – Notícias


A Comissão de Saúde da Assembleia da República realizou ontem uma audição à presidente do Conselho de Administração do Instituto Português de Oncologia (IPO) de Lisboa, Eva Falcão, e à diretora dos Serviços Farmacêuticos, Rute Varela, na sequência das denuncias e escusas de responsabilidade apresentadas pela equipa de farmacêuticos, e do pedido de demissão da sua diretora, que alegam falta de recursos humanos e materiais na farmácia hospitalar, que ameaçam a qualidade e a segurança dos cuidados prestados aos doentes.

As duas responsáveis do IPO apresentaram dados distintos sobre a atividade dos serviços farmacêuticos hospitalares. A presidente referiu que o IPO conta atualmente com 18 farmacêuticos, mais quatro do que no final do ano passado. “Quer isto dizer que, de facto, a farmácia tem sido reforçada, não há recusas de autorizações de contratações por parte do Conselho de Administração”, garantiu a responsável.

Contudo, a diretora dos Serviços Farmacêuticos explicou que estes ” dados não são corretos” porque o Conselho de Administração não está a contabilizar os farmacêuticos contratados como técnicos superiores de saúde.

“Posso dizer que em 2018 tínhamos 22 farmacêuticos e neste momento temos 23”, assegurou. Rute Varela explicou que os serviços farmacêuticos têm “exatamente o mesmo número de recursos” do que há cinco anos, mas chamou a atenção para o considerável aumento de produção e complexidade dos tratamentos inovadores.

Em 2018, foram preparados 38.529 tratamentos [de quimioterapia] enquanto em agosto de 2023 já tinham sido preparados 29.318, prevendo-se que no final do ano sejam 44.000 tratamentos, estimou Rute Varela, sublinhando um acréscimo de 6.000 tratamentos neste período de 2018 para 2023.

De acordo com o relatório da inspeção realizada pelo Infarmed aos serviços farmacêuticos do IPO de Lisboa, foram detetadas 14 não-conformidades classificadas como críticas, 10 das quais referentes às condições de trabalho, pressões, humidades e temperaturas.

A autoridade reguladora detetou que não são “assegurados os diferenciais de pressão entre o corredor da área limpa e as salas de preparação”, nomeadamente as salas de alimentação parentérica e salas de preparação citotóxicos. Constatou também que o sistema de gestão técnica centralizada está avariado desde final de 2022 e a existência de manómetros analógicos nas diferentes salas sem estarem identificados e calibrados.

No relatório a que a Lusa teve acesso, o Infarmed alerta ainda para a falta de “dupla verificação de operações críticas durante a preparação de citotóxicos” e para o não funcionamento do dispositivo de controlo de acesso à zona de preparação de estéreis.

Entre as não conformidades, estão ainda “as salas de preparação, que não tinham sonda de monitorização de temperatura e humidade relativa” e “não se encontravam a utilizar detergente estéril na limpeza das salas de preparação”.

O Infarmed alerta ainda que os dispositivos médicos utilizados no IPO de Lisboa não estão sob responsabilidade dos Serviços Farmacêuticos, com exceção do que têm ação terapêutica e dá ainda nota sobre a desinfeção de material, que não está a ser realizada previamente à colocação na ‘passbox’ para a sala de preparação.

O Infarmed concedeu um prazo de 10 dias úteis ao IPO para apresentar um plano de medidas corretivas para as não-conformidades críticas e maiores e 30 dias paras as outras, devendo anexar documentos probatórios das medidas corretivas que venham a ser implementadas.

Esta inspeção foi realizada depois de o bastonário da Ordem dos Farmacêuticos, Hélder Mota Filipe, ter pedido em outubro a intervenção da autoridade reguladora para garantir o cumprimento de boas práticas na preparação de medicamentos no IPO de Lisboa, depois de ter recebido pedidos de escusa de todos os farmacêuticos da instituição.

Link da fonte

Scroll to Top