Email: geral@afp.com.pt Tel: 222 089 160 *

Bastonária sugere plano de ação para recuperação da atividade assistencial – Notícias


A bastonária da Ordem dos Farmacêuticos (OF), Ana Paula Martins, defendeu ontem, durante a conferência “Recuperar a Saúde, Já!”, organizada pela Convenção Nacional da Saúde (CNS), a construção de um “ecossistema de saúde de valor acrescentado”, em coordenação com os setores privado e social, capaz de responder aos desafios atuais e futuros da sociedade. A representante dos farmacêuticos, e vice-presidente da CNS, defende um “plano de ação claro, objetivo e realista”, que permita conhecer com exatidão os atrasos e carências do sistema de saúde, visando a recuperação imediata da assistência aos portugueses.

A conferência da CNS juntou bastonários das Ordens profissionais da área da Saúde e representantes de várias instituições públicas, privadas e do setor social, que integram a Convenção, para uma reflexão sobre o impacto da pandemia de COVID-19 na atividade assistencial.

O evento realizado no auditório da Associação Nacional das Farmácias contou com a participação do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, do Secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, e do presidente do Conselho Económico e Social, Francisco Assis, entre outras personalidades e convidados.

Intervindo no final da conferência, a bastonária da OF sublinhou o “momento difícil” que o país enfrenta, com os cidadãos “exaustos após quase dois anos de luta contra a pandemia de COVID-19 e inquietos com o atraso acumulado na resposta às demais doenças”.

“Milhões de consultas, exames e tratamentos ficaram por fazer, agravando de forma substancial a saúde dos portugueses, o bem-estar da população”, salientou. “Já não falamos só de listas de esperas maiores ou menores como no período pré-COVID. Agora falamos de uma avalanche de casos de cancro por diagnosticar que nos chegam ou chegarão em fases avançadas com o sofrimento humano e ético que isto acarreta”, acrescentou.

“Não nos podemos conformar, nem esperar que estas pessoas, que a maior parte das vezes não têm voz, possam ser consideradas as novas vítimas da pandemia. Estão vivas e temos de cuidar delas, porque se assim não for serão esquecidos e eliminados pelo tempo e com o tempo. Não se pode aceitar que por inércia seja condenada tanta gente quando ao mesmo tempo se avança como nação através do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), que investe hoje para salvar a economia do amanhã”, defendeu a bastonária.

Ana Paula Martins assegurou que a Convenção acompanha a implementação do PRR na área da Saúde, apontando a transição digital como uma das principais prioridades. “O PRR começa aqui na Saúde trazendo connosco a determinação de não deixar ninguém para trás, investindo o que for preciso, dando o nosso melhor”.

A bastonária considera urgente a definição de um “plano rigoroso” que permita conhecer “com exatidão os atrasos, as carências, os défices materiais e organizacionais do sistema, a falta de capital humano de forma a traçar um plano de ação claro, objetivo, realista, visando a recuperação imediata da assistência aos portugueses e a criação de condições que permitam enfrentar com tranquilidade os desafios futuros do setor da saúde”.

Para a representante dos farmacêuticos, “o SNS não é o sistema de saúde para os pobres, nem o privado para os ricos ou remediados. O sistema nacional de saúde é um grande ecossistema que serve todos de acordo com as suas necessidades, tendo em conta as preferências dos cidadãos que não são agentes passivos no século XXI”.

Link da fonte

Scroll to Top